Cunhada safada


Click to Download this video!


Estava de férias com minha esposa e filha no litoral norte de São Paulo, onde tenho uma casa de praia. Meu cunhado, irmão de minha mulher, veio passar um fim-de-semana conosco e trouxe sua linda esposa, Sean, com a qual era casado há uns cinco anos, e o filhinho deles, de quatro anos. Eu sempre nutri um tesão disfarçado por Sean, uma mulher de 22 anos, morena clara, cabelos e olhos negros, corpo roliço e rígido, bunda empinada, seios fartos, enfim, um verdadeiro colosso! Em Caraguá, na praia Martin de Sá, no sábado pela manhã, fomos ao posto 6, o famoso “quiosque do nelsinho”, onde a arrebentação de ondas é mais suave e mais próprio às crianças. Estava fervendo de gente, mas como sempre Nelsinho arranjou-nos uma mesa e começamos a beber, caipirinhas, “espanholas”, cerveja, entremeadas por camarõezinhos, porquinho, “chenele”, e assim foi passando o dia. Minha esposa quando vai à praia parece que não quer mais ir embora, e assim, entre umas e outras, às 04 da tarde estávamos todos de “pileque”. Sean estava com um biquíni muito sensual, com as laterais da calcinha amarrada por cordões, e um top que fazia com que seus seios se avolumassem ainda mais. Minha mulher, embora mais comportada, também é muito gostosa, e vestia um biquíni que também despertava tesão em todos que a vissem. Enfim, resolvemos ir embora para casa. Pegamos o carro, música em alto volume, aquele trânsito da orla, um sol escaldante, o carro mais quente que sauna e todos os adultos rindo muito por qualquer motivo, todos em roupas de banho. Chegando em casa, resolvemos, eu e minha mulher, tomarmos banho no chuveiro externo, aqueles de chapéu grande, que forma uma ducha intensa e geladinha, e ali mesmo no quintal, debaixo do chuveiro, demos uma trepada gostosa, com eu cravando a vara na sua boceta e fazendo-a gozar rapidinho. Ao voltarmos, meu cunhado e Sean estavam na cozinha aguardando as crianças tomarem banho no WC interno, e minha esposa, na sacanagem falou para Sean que era melhor eles tomarem banho no chuveiro de fora, insistindo “você não sabe como é bom! Muito bom! Mesmo!” e piscando para ela, como que estimulando uma trepada deles em baixo do chuveiro. Eles foram sorridentes, de pilequinho, e minha mulher entrou no banheiro interno para ajudar minha filhinha no banho. Fui para o nosso quarto, cuja janela fica a menos de três metros do tal “chuveiro externo” e de onde, apesar da meia-parede do box, dava para eu observar, pela fresta da janela, o jovem casal se banhando. Tranquei a porta de meu quarto a chaves, fiquei espiando, com cuidado para eles não perceberem a janela entreaberta, e pude então notar a maravilha do corpo de Sean, peladinha, segurando o cacete do marido de frente, levantando a perna até a parede para facilitar a penetração frontal e levando o pau do meu cunhado na racha peluda. Puta que o pariu! Não resisti! Comecei a me masturbar olhando aquela cena maluca e percebi que minha concunhada deveria ser escandalosa ao gozar, pois em determinado momento meu cunhado colocou a mão na sua boca e ela, virtualmente estremecia em gozo. Esporrei-me todo. Fechei a janela que, sem querer, fez o barulho característico. No dia seguinte fomos à praia de novo, mas bebemos pouco, pois meu cunhado voltaria a São Paulo e deixaria Sean e o filho passar a semana conosco. E assim foi. Todos os dias que íamos à praia, Sean em biquininhos lindos e variados, eu ficava relembrando a cena da trepada e imaginando como ela deveria dar gostoso. Madrugada de quarta-feira, umas duas horas da manhã, minha mulher me acorda, dizendo que Sean não estava passando bem e pediu-me que a levasse ao Hospital. Para não acordar as crianças, minha esposa ficaria em casa com elas. Meio puto, levantei-me a contragosto, mas ao deparar-me com Sean vestindo um shortinho e bustiê justíssimos, pensei que não ia ser uma tarefa desagradável socorrê-la. No carro Sean aparentava estar mesmo muito abatida, e como ela não tinha plano de saúde, já que meu cunhado é um duro, levei-a à Santa Casa de Caraguá. Aguardamos um pouco e um médico a atendeu. Para entrar junto na sala, eu disse que era marido de Sean, e o médico examinou-a, perguntou-lhe um montão de coisas, mediu a pressão e a temperatura e, no final, disse que ela aparentemente não tinha nada, receitando-lhe um analgésico qualquer. Sean e eu saímos do consultório sem nos convencermos de que o diagnóstico do médico estava correto. Propus então a Sean que fôssemos a um hospital particular, no que ela disse que não pois não teria como pagar. Disse-lhe para não se preocupar, pois eu pagaria e – para não causar constrangimentos – ninguém precisaria ficar sabendo. Assim fomos a um outro hospital da cidade, onde – particular – fomos tratados muito bem, e neste Hospital o médico animadinho aprofundou-se um pouco mais no exame. Pediu-me licença e solicitou que Sean tirasse a roupa e vestisse um jaleco de hospital. Sentou-a numa maca, auscultou-a, mediu pressão, temperatura, fê-la deitar, colocou o ouvido em sua barriga, apalpou-lhe o abdômen, as costas, fez-lhe um monte de perguntas, inclusive quando havia sido sua última relação sexual, mas – ao final - também nada conseguiu diagnosticar. Foi mais solícito, encaminhou Sean para tomar uma injeção contra enjôos e a dispensou Já eram quase quatro horas da manhã e, no estacionamento do hospital mesmo, antes de ligar o carro, tomei a liberdade de perguntar a Sean qual a freqüência da atividade sexual dela. Ela, meio constrangida, disse-me que o meu cunhado era um tarado, que eles transavam todos os dias e várias vezes, e que ele não respeitava nem os dias que ela estava menstruada. Perguntei-lhe se ela sempre chegava ao orgasmo nessas relações e ela respondeu afirmativamente. Então, como quem descobriu a pólvora, dei uma grande risada e diagnostiquei que o que ela tinha era carência sexual, pois faziam já três dias que o marido tinha voltado a São Paulo. Ela deu um sorrisinho meio amarelo, como quem estivesse envergonhada e respondeu: “para diagnosticar isto, não precisava de médico, muito menos pago...”. Percebi que ela estava muito preocupada com o ressarcimento da consulta, e disse-lhe para ficar tranqüila, que era um prazer poder ajudá-la e lancei a pergunta mortal: “Você reparou como o médico ficou excitado ao vê-la?”. Ela disse que não. Respondi que deu para perceber o volume da calça dele aumentar. Ela riu muito, e foi eu que – na hora – comecei a ficar de pau duro. Como estava de calção e sem cueca, ela percebeu na hora disse: “É...parece que não foi só ele, né?” Fique meio encabulado, mas o tesão foi maior, e eu disse que ela estava enganada. Ela fixou o olhar no meu calção e falou que se aquilo não fosse uma ereção eu deveria ser muito bem dotado. Respondi-lhe, mentirosamente, que eu não estava excitado. Ela disse não acreditar. E ficou naquela: acredito, não acredito, acredito, não acredito! E então eu joguei: Só tem um jeito... São Tomé, me ajude!”. Peguei sua mão e coloquei-a sobre meu pau. Ela apertou e disse: “não falei?!” Insisti que ela estava enganada, peguei novamente sua mão e coloquei-a por dentro do meu calção fazendo com que ela tivesse contato direto com meu pau, que a estas alturas já estava querendo explodir em gozo. Ela ficou segurando e olhando para minha cara, sem saber como agir. Falei-lhe: “já que está, deixa ficar e é melhor aproveitar”. Ela começou a me masturbar e eu não resisti. Pus minha mão em seus peitos, levantei a blusa e comecei a mamar aquelas duas maravilhas da natureza. Ela me alertou que eu estava louco, que aquilo não era lugar, que poderia passar alguém, e coisa que o valha. Dei a partida no carro e fui até a orla da praia, onde aquela hora não tinha ninguém. Estacionei, fui até a porta dela, pedi para ela descer, e fomos andar na praia, com um medo fdp de ser assaltado. Mas valia a pena! Na praia, uma falha de iluminação, deu vez a um trecho escuro onde sentamos. Ela falou que aquilo era loucura, que nós não deveríamos estar ali. Mas não teve jeito, abracei-a e dei-lhe um beijão daqueles de calar a boca e engolir a língua, com força. Cai por cima dela e passei a friccionar meu pau na sua boceta, por cima da roupa mesmo. Na seqüência levantei seu top e voltei a mamar seus seios, enquanto com a mão abaixei seu shortinho. Não tirei o meu calção, mas coloquei o pau para fora e, alucinado, cravei em Sean. Era tanto tesão que começamos a copular loucamente e então percebi porque meu cunhado tinha colocado a mão na boca de Sean. Ela começou a gritar “áis”, “assins”, me xingando de puto e na hora do gozo mesmo deu um “ahhhh!!!!!” que se tivesse alguém por perto, certamente ouviria. E foi o que aconteceu.....Continuamos a trepar, com eu virando-a de costas lambendo seu cuzinho e sua xaninha toda lubrificada, Cravei o dedo no seu rabo, massageando o buraquinho onde tencionava entrar. Ela disse para eu parar, que ali nem o marido dela entrava, que doeria, mas eu continuei, e passei a por dois dedos. Cuspi no seu buraquinho já meio aberto e na hora que eu ia colocar meu pau, senti alguém bater nas minhas costas e dizer: ”Pode parar aí, tio. Agora é com a gente”. Eram três rapazes, mulatos, atléticos e de calção, na faixa dos 20 anos, um dos quais deixou-me ver o cabo de um revolver. Falei para eles ficarem calmos e um deles disse que era para eu ficar calmo, pois eles só iriam terminar o serviço para mim. Sean começou a chorar, e tomou um tapa no rosto que fê-la deitar-se na areia. Tentei reagir, instintivamente, e levei um pé no saco que me fez contrair em dores. Um dos rapazes tirou o cacete para fora e mandou Sean chupar, enquanto outro, o mais baixo, deitou-se no chão e mandou ela sentar com o cú na pica dele. O pau do cara não era muito grande, mas deveria ter mais de dez centímetros de grossura. A hora que ela sentou de costas na vara do baixinho, ela deu um grito, e tomou outro tapa. O terceiro empurrou-a para trás e ela ficou com a boceta escancarada para ele. O cara, sem dó nem piedade cravou-lhe o cacete, aliás o maior deles, na buceta, e ela ficou assim com um no rabo e outro na racha. Eu já tinha me recuperado do pé no saco e fiquei assistindo a sacanagem, com uma puta inveja dos malacos, e começou me dar um tesão doido, tanto que comecei a me masturbar. Determinado momento eu percebi que Sean já não chorava mais, e até rebolava, com um pau na boca, outro no cú e outro na boceta. O que comia-lhe a boceta gozou alucinado, urrando, sendo substituído pelo que estava sendo felado que, minutos depois, também gozava. Dava para ver a porra escorrendo da boceta de Sean. O baixinho não tirava o pau do cú de Sean, e percebi que Sean, rebolando, iria gozar. Gritou como uma cadela, xingando seus estupradores. O baixinho virou-a e ela ficou de bruços, de quatro, e ele cravou-lhe a tora na boceta, já melada pelos dois companheiros, e gozou feito um louco, dando tapas na bunda dela e xingando-a dos mais variados palavrões. Saciados, eles se levantaram, e falaram para eu ficar tranquilo que eles não iriam nos assaltar. Foram embora rindo, e Sean ficou ali, de pernas abertas, toda arrombada, encharcada de porra. Eu que estava me deliciando vendo-a ser estuprada, ainda estava de pau duro, falei prá ela: “Vamos terminar nossa conversa”. Enfiei o pau no seu cú, já bem alargado, e continuei bombando até gozar. Ela parecia que não gozaria mais e não gozou mesmo. Depois ela entrou no mar, lavou a boceta e o cuzinho, e pediu para ir embora. Fia o mesmo, e me enxuguei com uma tolha que sempre deixo no carro e voltamos para casa. No caminho eu falei para ela que deu para ver que ela gostou da curra, e ela me confidenciou que – como muitas mulheres – ela já tinha até sonhado em ser estuprada, até por mais de três e que apesar do medo, foi muito bom para ela. Ao chegarmos em casa minha esposa estava dormindo, e fizemos de tudo para não acordá-la. Ela só acordou quando eu deitei-me na cama a seu lado e passei a boliná-la, pois ela estava com aquele rabão voltado para mim e peladona. Falei que iria tomar um banho e voltei, limpinho, para mais uma trepada. Minha mulher estranhou o tempo que demorei para gozar, mas curtiu legal a demora. Depois perguntou de Sean e eu lhe disse que ela já estava melhor. Muito melhor, na verdade. No dia seguinte não tocamos no assunto. Quando voltamos a São Paulo recebemos um telefonema do Hospital particular, informando que Sean havia lá esquecido sua carteira de identidade. Aí o marido dela ficou sabendo do atendimento particular que eu patrocinei e ainda me pagou....acreditem!!! Mal sabia ele que Sean havia pagado com juros aquela assistência. Agora, as coisas ficaram muito legais. Quando ela vai na minha casa, passar um final-de-semana, sempre que estou longe do raio de visão de alguém, passo-lhe a mão na bunda, na xana, nos peitos, numa cumplicidade cheia de tesão que não sei onde vai nos levar. Cheguei a meter os dedos na sua buceta quando ela lavava a louça na pia na churrasqueira, atrás do balcão, enquanto o marido dela ficava tomando sol na beira da piscina. Vamos ver até onde isso vai dar!...
Foto 1 do Conto erotico: Cunhada safada

Foto 2 do Conto erotico: Cunhada safada

Foto 3 do Conto erotico: Cunhada safada


Faca o seu login para poder votar neste conto.


Faca o seu login para poder recomendar esse conto para seus amigos.


Faca o seu login para adicionar esse conto como seu favorito.


Comentários


foto perfil usuario kzdopass48es

kzdopass48es Comentou em 17/08/2016

Meu amigo, que delícia sua cunhada! Acertou na loteria, na mega sena sozinho! Amo a praia de Juqueí, no norte paulista. Fica perto dessa praia? Betto

foto perfil usuario tonyelene

tonyelene Comentou em 17/08/2016

Este conto não é de sua autoria.....certo?




Atenção! Faca o seu login para poder comentar este conto.


Contos enviados pelo mesmo autor


86397 - Mae da namorada - Categoria: Masturbação - Votos: 4
86398 - Aluna safada - Categoria: Fantasias - Votos: 4
86566 - Anoiteceu - Categoria: Poesias/Poemas - Votos: 0
86653 - Nossos corpos - Categoria: Poesias/Poemas - Votos: 0
86748 - Coroa safada - Categoria: Coroas - Votos: 6
86754 - Eu e minha amiga e cachorro - Categoria: Zoofilia - Votos: 8
87035 - Deixa me - Categoria: Poesias/Poemas - Votos: 1
87036 - Vou te chupar - Categoria: Poesias/Poemas - Votos: 0
87323 - tia viuva e gostosa - Categoria: Incesto - Votos: 14
87532 - Primeira vez com ela - Categoria: Travesti - Votos: 6
87648 - Deixa me provar - Categoria: Poesias/Poemas - Votos: 0
90095 - A vendedora - Categoria: Fetiches - Votos: 2

Ficha do conto

Foto Perfil edytdbsp
edytdbsp

Nome do conto:
Cunhada safada

Codigo do conto:
87801

Categoria:
Incesto

Data da Publicação:
15/08/2016

Quant.de Votos:
13

Quant.de Fotos:
3


Online porn video at mobile phone


cumplices de um resgate contos eroticos gaysXVIDEOS O AVÔ VER A NETA OLHANDO A REVISTA DE HOMENS PELADOS conto erótico sozinha com papaiimcesto papai goza muito me deixa garsdacontos eroticos pegando a mae traindo o paiContos eroticos.meu filho e minha calcinhasconto me masturbo bastante minha xotacontos provocandocontos eroticos incesto forcadocontos eroticos amiga rabudaSexo Eu meu marido e minha amigaContoa Heroticos gay fodendo meu primo bundudo na adolecensiaconto incesto filhinhavirei cadela de treis caxorroConto erótico travesti vizinho contofilho viazinho do paivídeos porno de incesto mãe flagrando o filho cheirando suas calcinha usadaspepeca+video+cheirando+puteiro+buceta+porno+linda+gostosa+videobucetas coroaso garoto do acampamento contos eroticosbuceta da viuvaconto erotico putinha de dois amigosconto erótico de marido que viu outro homem gozar dentro de sua esposacontos intimos de uma menininha pindaconto erótico vinhedo spwww.sobrinhacontoerotico.com.brContos eroticos com coroascontos eróticos dei pro meu pai na fazendapokemon eroticocontos eróticos era menina mas aguenteicontos eróticos gay com o motoristaGuadrinho eroteco pai e filhacontos erotico sogra no colosedutoras e marrentas parte dozecontos eróticos novinhaconto erótico de gay dando o cu pra uberContos erocoticos,enfiandos cenouras na bucetaconto gay incesto irmãoscontos no trem lotado de vestido o meu filho me comecontos flagrei ele comendo cu do meninocontos eróticos professor sendo enrabado e gostandoCónto erotico meu sogro comeu eu eminha sogra e nos bateuContoeroticocomidaconto erotico nora grávida no matoContos eroticos fodi a bucetinha da minha subrinhacontos flagrei meu pai comendo garotinhocontos de sexo com o entregador de gascontos eroticos em contagem mgconto erotico de cornoex espozsa ruiva com os negros contoBruno1 conto erotico gayconto de não aguentei a pica grande no meu cu apertadoconto erotico minha professora e travesticontos podolatria cloroformioconto erotici de casal que trasa com mulher mais novinha orguiacontos eroticos gay putinhaultimos contos sado professora submissa 29http://mozto.ru/conto/78283/773551/casto-e-corno-no-pre-carnaval-de-sp.htmlflagrei minha irma novinha dando a buceta no matinho contosContos so gosta das grossas no cucontos erotico mãe com absorvente grande dormindoconto erotico chupei a virgemquadrinhopornotraicaoconto de sexo meu padrinhoultimos contos sadocontos de buceta com porraabajun pornoConto boquete escondido em quadrinhocontos eroticos meu marido cumeu minga amiga e enfiou a maocontos transei com vovômeu padatro e gostozapconto erotico casada na praia de.nudismo